sexta-feira, 30 de setembro de 2016

RUI SEMPRE CORROSIVO


Não percebo o barulho que os adeptos de Porto fizeram com o golo do Boavista quando há quatro anos defendiam o contrário.

É PRECISO TER LATA
Pois ainda assim, e repetindo um lamento que só visa ocultar os erros cometidos ao longo dos últimos anos, vieram queixar-se da arbitragem, por - imagine-se - o golo do Boavista ter sido irregular. De facto, o golo do Boavista - que tantas vezes tem sido prejudicado pelas arbitragens (para já não falar do que alguns queixinhas, de hoje, lhe fizeram no passado) - é precedido de um evidente fora de jogo. Tão evidente porque, apesar de ser um só jogador, e de ser de meio metro, é obtido numa bola parada, e, assim, de fácil leitura para o árbitro assistente. Independentemente disso, confessamos a surpresa perante a ofensa destas virgens. As mesmas que no passado defenderam a legalidade da jogada de um golo do Porto (ou, no limite, uma dificuldade enorme de leitura do lance pelo árbitro assistente) que lhes deu um campeonato, (como eles gostam de ganhar).
Não temos memória curta!
Porque todos - nós e eles - nos lembramos do golo que o Benfica sofreu, no Estádio da Luz, frente ao Porto, na época 2011/12. Sim, esse mesmo, o golo de Maicon.
Em claro, diria escandaloso, fora de jogo!!!
Do tamanho da Torre dos Clérigos, antevendo um roubo de... Catedral. A verdade é que foi um golo que fez muita diferença!
Um golo, irregular, que implicou que o Benfica não fosse campeão.
Não percebo, por isso, o enorme barulho que os adeptos do Porto fizeram na sexta feira, quando, há quatro anos, defenderam o inverso, perante as mesmas evidências. De facto, a «verdade desportiva» esse conceito vago e quase indeterminado - é relativa e só existe para determinados clubes.
É preciso ter lata!

Saber liderar
A jogada em fora de jogo que originou o suprarreferido golo golo de Maicon foi tão escandalosa que Pedro Proença, árbitro desse clássico, admitiu posteriormente - ainda que dois anos após esse episódio - numa entrevista que concedeu, o erro crasso e fatal ao validá-lo. Pedro Proença sabia - como afirmou - que esse golo poderia ter marcado (como marcou) o título nacional.
Não obstante a sinalização desse fora de jogo não ter sido originariamente sua, mas antes do seu auxiliar, assumiu o erro da equipa de arbitragem que chefiou. Aliás, o próprio árbitro-assistente desse jogo, que o auxiliou, também assumiu tratar-se  de um... «erro de avaliação»... provocado por um «momento de desconcentração». Erros e desconcentrações que nos custaram títulos e campeonatos (em benefício dos mesmos). Neste caso, na época 2011/12, custou-nos um campeonato nacional (e deu mais um aos outros). Reconheço que essas confissões - sobretudo a de Pedro Proença enquanto responsável máximo - foram uma grande atitude, não obstante a surpresa subjacente. Por mais escandaloso que o fora de jogo fosse...
Porque, noutros tempos, a vitória conseguida nesses exatos termos seria um não assunto.
Também por isso, a confissão de Pedro Proença foi uma atitude de líder.
Porque um grande líder assume os seus erros, as suas decisões, as suas escolhas.. um dos princípios fundamentais de qualquer liderança. Só os líderes sem caráter sem refugiam nos mitos.
Pois, independentemente das muitas dúvidas que me levanta com possível grande treinador (pese embora o esforço do seu empresário) e nunca me poder esquecer que foi ele o porta voz do «somos Porto» (esta memória...), Nuno Espírito Santo tem demonstrado que sabe isso!
Quando confrontado com a tese de José Mourinho - a propósito da necessidade de existência de paciência antes de o Porto voltar a ganhar - Nuno Espírito Santo foi perentório!
Para ele, a paciência não existe no futebol.
Porque sabe também ser sua a responsabilidade de disfarçar, ou atenuar, a má gestão até então feita de uma equipa que tarda em ganhar!
Se, por um lado, Nuno Espírito Santo me deixa algumas dúvidas, como treinador, esperando, por isso, que continue durante muitos anos no Porto, por outro lado, não consigo deixar de gostar de alguém que dá a cara por aquilo em que acredita. O problema, para Nuno, atrás dele não me parece existir outra coisa senão a versão futebolística do Titanic. Um barco grande em que o comandante continua a achar que os velhos métodos impedirão o naufrágio... onde não faltam, sequer, os solos de violino de uma orquestra que já não existe, aqui substituídos por solilóquios em jantares de casas onde os presentes batem palmas aos disparates que só servem para disfarçar a falência de um modelo dos tempos dos quinhentinhos. Um conselho?
Talvez pirar-se,... antes que acabe como acabaram os últimos 4...

Somos o que fazemos repetidamente
Por isso, apesar de haver quem peça para escrever e publicar um artigo de opinião, cujo objetivo ainda hoje se desconhece, continuemos a não dar palco a quem - seguindo os velhos manuais da guerra e da política - tenta arranjar um inimigo externo para desviar as atenções dos resultados do último ano. desportivos e financeiros!
No Benfica, temos assuntos que cheguem para falarmos de nós... o Tricampeonato,... as 15 vitórias  fora de casa consecutivas,... os 227 dias sem derrotas,... a existência de lucros por parte da SAD,... os êxitos da formação. Mas que estranhamos, lá isso estranhamos.. não haver - no artigo em causa - qualquer referência ou explicação sobre os avultados prejuízos do último ano,... nenhuma palavra perante a possibilidade de não conseguirem cumprir as regras e critérios do fair play finaceiro, impostos pela UEFA,... nem uma linha sobre os previsíveis resultados das ações judiciais em consequência do não cumprimento de determinadas obrigações,... uma nota sobre o provisionamento (ou não) da dívida,... uma linha sobre o perdão (de parte) da dívida bancária,... ou sobre os juros bem mais baixos que os outros clubes,... ou ainda sobre qual o proveito real (encaixe efetivo) do clube com a venda de jogadores...
Entre estes ou tantos outros temas... nada!
Mas sobre o Benfica sabem eles escrever.
Porque o Benfica... pode não lhes preencher o coração, mas dá-lhes a volta à cabeça!

Os golos dos outros
Na terça feira, em Alvalade, bateram palmas ao golo que determinou a derrota do Porto, em Leicester. Os Dragões Marcoenses que se preparem, pois vão ter que ouvir uma nova intervenção - vocês sabem de quem - sobre os contratos de trabalho dos sócios do Sporting que ousaram ficar felizes com a vitória dos campeões ingleses. E, no dia seguinte, um jornal independente fará primeira página com os contratos da polémica. Ou talvez não,... porque, de tanto festejarem, no ano passado, os golos de Slimani, na esperança de que o Benfica não fosse campeão talvez não tenham reparado que desta vez, os golos do argelino não lhes alimenta a inveja. Porque, quando a lucidez começa a faltar e o sistema continuará a não responder, nem o apoio dos últimos fiéis nem os fretes do que deveria ser uma comunicação independente os salvará...
Sem medo deles e dos outros (mesmo com uma lei aprovada mesmo só contra mim)!!!
Percebido???

RGS in a bola

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

PALLACANESTRO VARESE - SL BENFICA, 70-72 : A 2 PONTOS DO APURAMENTO


SL BENFICA DESPEDE-SE DA LIGA DOS CAMPEÕES

O SL Benfica venceu, nesta noite de quinta-feira, os italianos do Varese por 70-72, no segundo jogo da pré-eliminatória da Liga dos Campeões. Venceu mas não conseguiu, por apenas dois pontos, o regresso às grandes noites europeias.

Depois de ter entrado a perder na pré-eliminatória da prova – por apenas três pontos (72-75) - a formação orientada por Carlos Lisboa não tinha uma tarefa fácil diante de um conjunto mais do que habituado a estas andanças.
No palmarés, o Pallacanestro Varese tem cinco títulos europeus, três Taças Intercontinentais e duas Saporta Cups, além de ter sido finalista da FIBA Europe Cup na época passada.
Mas no Palazzetto dello Sport "Lino Oldrini", recinto do clube italiano, o SL Benfica mostrou ambição. Ambição e uma vontade enorme de carimbar presença na fase de grupos da Liga dos Campeões. Mas para isso tinha que vencer por mais de três pontos (diferença pontual do primeiro jogo). Ao final do primeiro período perdia por apenas três pontos (23-20).
Acreditar até ao fim. Foi, com certeza, este o pensamento do conjunto encarnado que conseguiu chegar ao empate ao intervalo (39-39).
No terceiro período, o SL Benfica a mostrar todo o seu valor e a sair na frente (53-54). Em mais um grande jogo de Basquetebol da elite europeia, a pouco mais de três minutos do final, já no quarto e derradeiro período, os encarnados venciam por 63-68.
Incerteza até ao final. O Varese voltou a aproximar-se e quando faltava 01:22 para jogar, eram dois os pontos que separavam as equipas (68-70).
Terminou o jogo com o SL Benfica na frente (70-72), uma vantagem, no entanto, insuficiente para marcar presença na fase de grupos da Liga dos Campeões. Agora, está garantida a fase de grupos da FIBA Europe Cup.
Marcaram para o SL Benfica: Raven Barber (8), Carlos Morais (17), Derek Raivio (6), João Soares (9), Damian Hollis (21), Nicolas dos Santos (3), Tomás Barroso (2), Marko Loncovic (3), Mário Fernandes (1) e Carlos Andrade (2).
O SL Benfica alinhou com: Derek Raivio, Carlos Morais, Carlos Andrade, Damian Hollis e Raven Barber.

OLHANENSE - BENFICA B, 1-2


O Estádio José Arcanjo, em Olhão, recebeu esta tarde de quarta-feira o desafio entre os locais – lanterna vermelha da competição - e o SL Benfica B - 3.º classificado da geral.
À passagem da 9.ª jornada da II Liga, a equipa comandada por Hélder Cristóvão fez valer os seus predicados e conquistou mais três pontos, mantendo assim a série de bons resultados.
Aos 36’, Heriberto Tavares inaugurou o marcador, resultado com que se atingiu o intervalo. Já na segunda metade, J. Galassi (59’), empatou, mas a onze minutos dos 90’, Romário Baldé sentenciou o marcador num 1-2 final.
Esta vitória foi dedicada pelo grupo de trabalho a Gonçalo Rodrigues, que recentemente foi alvo de intervenção cirúrgica. Os atletas reuniram-se no balneário com a camisola do colega, com a mensagem “esta é para ti”.
Volvidas nove jornadas da competição, o SL Benfica B soma 18 pontos, fruto de cinco vitórias, três empates e uma derrota.
O SL Benfica B torna a entrar em campo no próximo domingo frente ao Santa Clara. Esta partida está marcada para as 11h15 do próximo domingo, no Caixa Futebol Campus.
Hélder Cristóvão fez alinhar o seguinte onze inicial: André Ferreira; Alan Benítez, Francisco Ferreira, Kalaica e Pedro Amaral; Pedro Rodrigues, Gilson Costa e João Carvalho; Heriberto Tavares, Diogo Gonçalves e Luka Jovic.
Boletim Clínico da Equipa B
- REINILDO MANDAVA – Lesão muscular na coxa esquerda;
- GONÇALO RODRIGUES – Rotura do Ligamento Cruzado Anterior do joelho direito;
- YURI RIBEIRO – Entorse na Tibiotársica esquerda;
- IVAN SAPONJIC - Lesão muscular na coxa direita.

SEMPRE JUNTOS, NAS VITÓRIAS E NAS DERROTAS


Sobre o jogo de ontem em Nápoles, já foi tudo dito. Agora é a vez dos abutres.
Começou o festim em toda a mérdia nacional. É sempre assim com o Benfica. Basta um percalço, (lembram-se de Paris 3-0?), e eles atiram-se raivosos. A matilha estava ávida de sangue,e, ontem teve o seu festim em programas de merda, em artigos de opinião de bosta, falados ou escritos por gentalha sem coluna vertebral, gente que cheira a podre, uma autêntica escória.
Pusemo-nos a jeito e eles atacaram-nos esfaimados, que FDGP.
Nós benfiquistas não podemos ir nessa onda, é fácil criticar quando se perde, é fácil arranjar culpados quando se sofre uma derrota pesada como a de ontem, mas é nestes momentos que se vê a união de uma família, a nossa família benfiquista. Não devemos ser ingratos, a ingratidão é a pior coisa que pode existir, e não podemos ter a memória curta e esquecer as alegrias que a grande parte (quase toda) destes jogadores nos deu nos últimos anos. Não está tudo perfeito mas também não está tudo mal, isto não é como começa, é como acaba.
Eu sei que todos nós sentimos o peso enorme desta derrota (pelos números), esta derrota doeu, e doeu porque a equipa mesmo não jogando aquilo que é capaz de jogar não merecia este resultado tão pesado. Trés golos de bola parada, e um golo em que o Júlio fica mal na foto. Os erros pagam-se mas também fazem crescer.
Eu imagino o estado de espírito dos nossos atletas no fim do jogo em Nápoles. Eu imagino como se terão sentido depois do jogo terminar e se dirigiram aos adeptos e mesmo assim foram aplaudidos. eu imagino o descer da escadaria em direção aos balneários, o preparar a trouxa para regressar a Lisboa, o enfrentar a manada esfaimada de abutres à espera deles para fazerem sangue.
Eu imagino como terá pesado a viagem de regressso, as horas no avião, o silêncio...
Eu imagino rapazes, não foi fácil. E para aqueles que dizem que quem ganha milhões tem de estar preparado para tudo, eu respondo que não.
Os milhões não pagam tudo, os milhões não fazem com que eles deixem de ser seres humanos, os milhões não compram desilusões e tristezas.
E vou dar só um exemplo!
Robert Enke! Lembram-se?
Jovem, rico, famoso, mas que foi traído por uma depressão que os milhões não conseguiram curar.
Como este, existem mais exemplos.
Podemos criticar mas de uma forma construtiva, não do deita abaixo, quem apoia tem também o direito à crítica, criticar os erros não rebaixar quem erra.
Eles erraram e vieram destroçados, e nós adeptos ficamos fodidos, mas chegou a hora de nós lhes mostrar-mos que estamos com eles, chegou a hora do colinho.
Chegou a hora de lhes dizer-mos vocês são os nossos, é com vocês que vamos até ao fim do mundo, porque nós não vos deixaremos cair, estamos aqui para vos amparar com o nosso apoio incondicional, porque vocês tem-nos dado muitas mais alegrias do que tristezas.
E nesta hora o colinho tem que ser  ainda mais aconchegante.
Eles (a matilha) sabem lá o que é isto!
Isto é ser benfiquista.
Isto é La Famiglia.
E PLURIBUS UNUM

CAPAS DO DIA : A MATILHA ESTAVA ESFOMEADA


UEFA YOUTH LEAGUE : NÁPOLES - BENFICA, 2-3


A equipa de Juniores do SL Benfica venceu, esta quarta-feira, o Nápoles por 2-3, na 2.ª jornada da Fase de Grupos da UEFA Youth League.
Depois do nulo registado na ronda inaugural, frente ao Besiktas, o grupo às ordens de João Tralhão procurava, no Pasquale Ianniello, a primeira vitória na edição 2016/2017 da competição europeia.
Entraram melhor as águias. Mais fortes, mais intensas e mais determinadas, chegaram à baliza de Maurizio Schaeper aos 24’. Boa combinação entre Tiago Dias e João Félix, que rematou para o 0-1.
E pouco se alterou com o golo. Os encarnados continuavam a jogar no meio-campo dos italianos, que não conseguiam aproximar-se da baliza de Fábio Duarte. 45 minutos de absoluto domínio encarnado.
No segundo tempo, o árbitro suíço Alain Bieri assinala grande penalidade a favor do SL Benfica. Granata viu o cartão amarelo por carga sobre João Félix e Filipe Soares, na conversão, não desperdiçou.
A formação liderada por João Tralhão continuava a dominar e, aos 73’, viu os italianos ficarem reduzidos a 10 depois do segundo amarelo de Granata por travar a meio-campo uma saída rápida conduzida por Banjaqui.
Foram minutos frenéticos os que se seguiram. Mesmo a jogar com menos um – e no primeiro remate que fez à baliza do SL Benfica – o Nápoles conseguiu reduzir a desvantagem aos 79’.

Napoli (U19) 2-3 Benfica (U19) All Goals... por usman-nasir4
Gennaro De Simone voltou a marcar, aos 85’, mas logo a seguir o SL Benfica desfez a igualdade. Florentino rematou para o 2-3.
Já no prolongamento, o Nápoles ficou sem mais um elemento, G. De Simone e terminou o encontro com nove jogadores em campo.
As águias ocupam, neste momento, o segundo lugar do Grupo B em igualdade pontual com o líder, Dínamo de Kiev (4 pontos).
O SL Benfica alinhou com: Fábio Duarte (c); Diogo Cabral, Soares Silva, Pedro Álvaro e Ricardo Mangas; Diogo Mendes e Florentino; Banjaqui, Soares e Félix Sequeira; Tiago Dias.
Na próxima jornada da competição, o SL Benfica viaja até à Ucrânia, onde vai defrontar a formação do Dínamo de Kiev. Esta partida está agendada para o dia 19 de outubro.
O Campeonato Nacional regressa já no próximo fim de semana, com o SL Benfica a deslocar-se até à Cidade do Lis, onde vai defrontar a equipa da União de Leiria (9.ª jornada).

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

NÁPOLES - BENFICA, 4-2 : SEGUIR EM FRENTE E APRENDER COM OS ERROS


O Nápoles venceu esta quarta-feira o Benfica por 4-2 em jogo a contar para a segunda jornada do Grupo B da Liga dos Campeões. A formação napolitana abriu o marcador na primeira parte apesar da boa réplica 'encarnada', mas no arranque do segundo tempo três golos em menos de 10 minutos sentenciaram o rumo do jogo. A equipa de Rui Vitória ainda reduziu por Gonçalo Guedes e Salvio, mas os três pontos ficaram em Nápoles.
No São Paolo, Rui Vitória apresentou três alterações no onze em relação à equipa titular que defrontou o Desportivo de Chaves no último sábado. Júlio César substituiu Ederson na baliza enquanto que André Almeida e André Carrillo entraram para o lugar de Salvio e Gonçalo Guedes.
Apesar da entrada dominadora do Nápoles, a formação comandada por Rui Vitória aguentou a forte pressão exercida no seu meio-campo defensivo e logo aos 5 minutos criou a primeira grande situação de perigo por intermédio de Mitroglou. O avançado grego rematou de primeira após um cruzamento na esquerda mas o guarda-redes Pepe Reina negou o golo do Benfica com uma palmada na bola.
O primeiro sinal de perigo do Benfica colocou em sentido a formação do Nápoles que tinha alguma dificuldade em penetrar na área do Benfica nos instantes iniciais. Grimaldo e Nélson Semedo estavam em bom plano no arranque do jogo e aos 10 minutos a formação encarnada voltava a criar perigo por Mitroglou, mas o remate do avançado helénico acabou por ser desviado por um defesa napolitano.
E como no futebol há aquela 'máxima' de quem não marca sofre, o Nápoles adiantou-se no marcador aos 20 minutos de jogo na sequência de um pontapé de canto marcado por Ghoulam e finalizado pelo capitão Hamšík. A defesa 'encarnada' ficou 'mal na fotografia' ao permitir o cabeceamento de Hamšík ao primeiro poste sem qualquer oposição.
Ao intervalo, o golo de Hamšík continua a dar vantagem ao Nápoles apesar da boa exibição do Benfica no São Paolo.

All Goals HD - Napoli 4-2 Benfica 28.09.2016 HD por usman-nasir4
No entanto segundo tempo, a equipa comandada por Maurizio Sarri entrou muito forte no jogo e aproveitou alguma desorganização defensiva por parte do Benfica para marcar 'de rajada' três golos em menos de 10 minutos. Aos 51 minutos, Lisandro López comete uma falta à entrada da área e cedeu um livre ao Nápoles. Chamado à conversão do pontapé de livre, Mertens rematou e não falhou, fazendo o 2-0 com a bola a entrar muito perto do poste. Júlio César nem se mexeu. Três minutos depois, o guarda-redes do Benfica tentou compensar um ressalto em Lindelof e na 'mancha' sobre Callejón acabou por cometer grande penalidade. Chamado à conversão, Milik fez o 3-0 e sentenciou aí quaisquer aspirações do Benfica em lutar pela vitória. Moralizados pelo resultado dilatado, e perante um adversário que acusou os dois golos sofridos no arranque do segundo tempo, o Nápoles acabaria por marcar o 4-0 aos 58 minuts por internédio de Milik num lance em que Júlio César falhou por completo uma saída à bola.
Aos 67 minutos, Rui Vitória lançou no jogo Gonçalo Guedes e tirou André Carrillo. O avançado português precisou de apenas três minutos no relvado para reduzir o marcador quando aos 70 minutos aproveita um mau passe de Jorginho, foge a Maksimovic, contorna Reina e remata para o fundo da baliza.
O golo do Benfica acabou por servir de tónico para a equipa de Rui Vitória, que aos 82 minutos lançaria ainda José Gomes para a saída de Fejsa.
Aos 86 minutos, o Benfica acabaria por reduzir para 4-2 num lance muito bem construído entre André Almeida e Salvio. O argentino tinha entrado no início da segunda parte e já perto do final do jogo não desperdiçou um grande passe de André Almeida para 'matar de peito' e fazer o golo.
Mesmo a perder por 4-2, e quando faltavam menos de cinco minutos para o apito final, o Benfica não baixou os braços na procura de tentar mais um golo.
Apesar da boa reação do Benfica na reta final do jogo, e da produção dos 'encarnados' na primeira parte, o Nápoles acabou por conseguir um importante resultado e assegurar o primeiro lugar do Grupo B com seis pontos. Já o Benfica soma apenas um ponto na classificação e partilha neste momento o último lugar com o Dínamo Kiev que empatou esta quarta-feira com o Besiktas a 1-1.

EM NÁPOLES À PROCURA DOS TRÉS PONTOS


O Benfica vai ao San Paolo à procura da primeira vitória nesta edição da Liga dos Campeões. Os 'encarnados' não começaram da melhor forma com um empate frente ao Besiktas e querem emendar a falsa partida. Frente ao Nápoles, a equipa de Rui Vitória vai enfrentar o líder do grupo B, que venceu o Dínamo de Kiev na primeira jornada.
No reduto da equipa napolitana, o clube da Luz vai enfrentar um ambiente adverso. Os adeptos italianos fazem questão de mostrar o seu apoio à equipa napolitana dentro de portas. Em Itália, o 12º jogador vai jogar de azul.
Sem o fator casa, o Benfica chega a Itália com Mitroglou em grande forma. Depois de uma lesão que o deixou de fora durante algum tempo, o internacional helénico tem sido o homem golo do plantel 'encarnado'. A seu lado, Rui Vitória deve manter Gonçalo Guedes no apoio. O jogador português tem aproveitado a ausência de Jonas e Raúl Jiménez para se afirmar no 11 inicial.
A equipa encarnada continua muito desfalcada devido a lesões. O técnico português continua sem contar com Jonas, Raúl Jiménez e Rafa. Os três jogadores são baixas no setor mais ofensivo do clube da Luz.
Um historial nulo que vai desempatar no San Paolo
Do atual plantel do Benfica, só dois jogadores sabem como é jogar no Estádio San Paolo. Luisão fez um jogo no reduto italiano que terminou com uma derrota. No entanto, Júlio César fez cinco jogos em casa do Nápoles durante os cinco anos que passou no Inter de Milão. O guarda-redes brasileiro nunca perdeu em casa dos italianos e venceu três encontros. Do ponto de vista da baliza, Júlio César só por uma vez não teve de ir ao fundo das redes buscar a bola. Em cinco jogos, apenas não sofreu por uma ocasião. No entanto, nunca sofreu mais do que um golo por jogo.
Historicamente, uma partida entre Benfica e Nápoles não é um clássico. As duas equipas só se enfrentaram duas vezes durante uma eliminatória da Liga Europa. Em 2008, os encarnados tinham os italianos pela frente na 1º ronda da fase a eliminar da competição. A primeira mão jogou-se no San Paolo, com vitória para a equipa italiana por 3x2 com golos de Suazo e Luisão.
Na segunda mão  jogou-se no Estádio da Luz, com vitória para a equipa portuguesa. José Antonio Reyes e Nuno Gomes fizeram os golos do Benfica 2-0 Nápoles e sentenciaram o duelo. .
A partida no Estádio San Paolo vai desempatar as contas. Na única visita ao reduto dos italianos, a derrota acabou por ser um resultado que interessou ao Benfica. No entanto, num contexto de fase de grupos, a história é outra. Estão três pontos em jogo e os encarnados querem compensar o empate caseiro com o Besiktas.

CAPAS DO DIA


A MELHOR DEFINIÇÃO PARA O JUMENTO DO LUMIAR


O antigo diretor de comunicação das ‘águias’ recorreu às redes sociais para atacar o artigo de opinião de Bruno de Carvalho esta terça-feira publicado no Diário de Notícias.

Bruno de Carvalho assina esta terça-feira, no Diário de Notícias, um extenso artigo de opinião. No seu texto, o máximo dirigente ‘leonino’, entre outros temas, questiona as contas do Benfica.
João Gabriel, nas redes sociais, nomeadamente no Twitter, parece ter-se insurgido contra o artigo, respondendo mesmo a uma justificação do DN que refere “o artigo de opinião de Bruno de Carvalho que o DN publica, foi proposto pelo presidente do SCP”.
“Transtorno psicótico: perda de contacto com o real, alucinações,delírios,mudanças comportamentais. Este tweet foi proposto por mim!”, escreve o antigo responsável pela comunicação do emblema da Luz.
Transtorno psicótico: perda de contacto com o real, alucinações,delírios,mudanças comportamentais. Este tweet foi proposto por mim!