segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

GRANDE RESPOSTA AO ANÃO DE PALMELA


Dirigente do Sporting apontou armas a Luís Filipe Vieira numa entrevista à Sporting TV
"O Sporting não é a segunda maior dívida da Europa. O presidente do Sporting não anda pela Ásia a tentar vender ativos." Foi com esta frase que Octávio Machado quis atingir o Benfica e o presidente Luís Filipe Vieira. João Gabriel, antigo diretor de comunicação das águias, não deixou a tirada do dirigente leonino passar em claro e respondeu através do Twitter. "Melhor tentar vender na Ásia, do que não saber como despedir em Portugal", num ataque a Bruno de Carvalho por todos os casos em que está envolvido, desde o despedimento de Marco Silva até ao caso Doyen.
Melhor tentar vender na Ásia, do que não saber como despedir em Portugal https://twitter.com/jgdm1965/status/823255470072885249 

CAPAS DO DIA


UM AZAR DO KRALJ


O Calcitrin de Luisão, o whatsapp de Lindelöf, o mês sabático de Salvio e as 436 ocasiões de Rafa.
Os autores de Um Azar do Kralj viram o mesmo jogo que nós, mas escolheram outros caminhos para explicá-lo. Os caminhos de Vitória e os caminhos de Deus.
EDERSON
Deus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: "Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra. Ide, portanto, fazer discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo, ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho ordenado e, por favor, deixa esses meninos do Tondela atirar mais na baliza, 'tou ficando gelado.”
NELSON SEMEDO
“Na sua essência a vida é monótona. A felicidade consiste, pois, numa adaptação razoavelmente exacta à monotonia da vida. Tornarmo-nos monótonos é tornarmo-nos iguais à vida; é, em suma, viver plenamente. E viver plenamente é ser feliz.“ Foi mais uma exibição monótona de Nelson Semedo.
LUISÃO
Não é que o tal calcitrin resulta mesmo? Boa exibição de Luisão, sempre muito atento aos adversários e a erros de colegas. O capitão soube dramatizar cada lance e transformá-lo numa oportunidade para dizer que está vivo e não vai a lado nenhum, confundindo os críticos do costume com uma série de desarmes para a fotografia. Entendeu-se lindamente com Samaris, pelo menos até este lhe perguntar se já tinha lido alguma coisa do Raduan Nassar.
LINDELÖF
Fez a melhor exibição dos últimos 2 meses, o que, dado o talento ofensivo do Tondela, sugere aquele tom de clemência e condescendência que guardamos para aquele amigo que não gosta de videojogos e por isso acabou de levar 6-0 no FIFA enquanto trocávamos mensagens no whatsapp. É uma questão de lhe dar mais oportunidades, pelo menos até descobrir que a cruz serve para passar. O desarme a Murilo, aos 50’, é um lance de qualidade em qualquer parte do mundo, literalmente. Na China, por exemplo, seria um lance genial. Já pensaram nisso? O rapaz não vai para novo.
ANDRÉ ALMEIDA
O momento mais comovente da tarde aconteceu quando Hélder Conduto se referiu a um lance menos feliz de André Almeida dizendo que “o seu pior pé é o esquerdo”. É aqui que se vê a grandeza dos homens. Pessoas com outra formação humana e intelectual teriam dito “o direito mesmo o único pé que se aproveita”, “entre este e o pé direito, venha o diabo e escolha”, “perdeu-se um magnífico calceteiro”, “VOLTA GRIMALDO” ou “pelo amor de Deus, pára de fazer cruzamentos”. Hélder Conduto optou antes pelo eufemismo, esse nobre instrumento de combate à crueldade do homem.
SAMARIS
Sabemos que Samaris fez uma bela exibição quando não nos lembrámos do Fejsa uma única vez ao longo de 90 minutos. Autoritário a recuperar a bola, inteligente a circular jogo, tacticamente irrepreensível, e provavelmente o único jogador em campo que conhece o significado da palavra irrepreensível.
PIZZI
“Bom, hoje não temos Pizzi” - benfiquista após 2 passes falhados do melhor em campo.
“Este Pizzi já passava uns jogos no banco, se calhar fazia-lhe bem…” - benfiquista ao intervalo, a falar com amigo a três urinóis de distância.
“GOOOOOLOOOO. Quem foi? Quem foi? Foi o Pizzi? Este nunca falha!” - benfiquista após o 1-0, gozado de imediato por um amigo que ainda se lembrava das afirmações anteriores.
“GOOOOOLOOO. Outra vez o Pizzi! Parece que me ouviu ao intervalo!” - benfiquista após o 2-0, ainda a ser gozado desde o primeiro golo de Pizzi
“E o Pizzi? Que senhor jogador… Como é que este homem ainda não joga na selecção?” - benfiquista à espera do metro da linha azul.
CERVI
O único jogador em campo que poderia ter fabricado as suas próprias chuteiras regressou à titularidade mas não se entendeu com André Almeida, nem com Zivkovic (excepção feita a um carrossel aos 12’), nem com Jonas, porventura não sabia sequer que Mitroglou estava em campo. Não fez um jogo daqueles, mas ainda assim trabalhou mais do que nós nesta tarde de domingo. Não se queixem. Aproveitou a baixa estatura física para se tentar manter em campo sem ninguém dar por ele, mas Bruno Esteves tem um igual lá em casa que também gosta de jogar às escondidas e topou a manha.
ZIVKOVIC
É bom miúdo, mas escusa de levar tão a sério o estatuto de novo Gonçalo Guedes. Vamos lá ver: todas as jogadas de Zivkovic começam lindamente. O sérvio desarma um adversário, acelera com a bola colada ao pé à saída do meio-campo benfiquista e, sem grande cerimónia, deixa meia equipa adversária para trás. Até aqui tudo bem. Importa agora trabalhar o um-para-um contra o sétimo, oitavo, nono e décimo jogadores, mas também a colaboração com os restantes membros da sua organização. Tudo isto dotará o indivíduo de noções mais avançadas para uma vida em sociedade. Correndo tudo bem, em breve deixará de chegar à linha de cabeceira adversária sem fôlego para fazer um cruzamento em condições ou sequer pedir direcções para o aeroporto. É que o empresário ainda fica apeado e é uma chatice.
JONAS
Passou o jogo a dizer aos colegas que era hoje que ultrapassava Bas Dost na lista dos melhores marcadores e se não tem falhado aos 6’, aos 9’, aos 31’, aos 57’ e aos 76’, talvez tivesse ficado mais próximo do objectivo. Foi por isso uma exibição algo garganeira do melhor jogador do campeonato, que, se hoje marcou, em muito deve esse feito a André Almeida, algo que poucos futebolistas na história da modalidade podem afirmar.
MITROGLOU
Tentou participar no jogo, revelando aqui e ali o habitual bom entendimento com Jonas, mas não recebeu uma bola em condições de enfiar na baliza. Isso e jogou numa zona do terreno mais povoada do que Washington na marcha das mulheres. Logo ele, que se limitou a apoiar Trump para chatear o establishment intelectual de esquerda.
SALVIO
Eu compreendo que um futebolista ganha demasiado bem para ter direito a anos sabáticos, mas e se fosse só um mês? Fazia-lhe bem, a ele e a nós.
RAFA
Nota-se que estudou bem as ideias do treinador, nomeadamente a célebre máxima “se fosse fácil não era para nós”. Após quatrocentas e trinta e seis ocasiões de golo, Rafa estreou-se a marcar ao serviço do Benfica na oportunidade mais difícil de concretizar que teve até agora. A emoção foi tanta que até o Samaris disse uma asneira.
CELIS
Por falar nisso, viram o teaser da nova temporada de House of Cards? Do caraças. Aqueles tipos sabem o que fazem.
BRUNO ESTEVES
Exibição apagada durante grande do jogo, apareceu muito bem na fase final.

domingo, 22 de janeiro de 2017

NO BENFICA, A PALAVRA GOLO ESCREVE-SE COM Z - E COM DUPLO ZZ


O Benfica ganhou por 4-0 ao Tondela e manteve o FC Porto a quatro pontos de distância. Todos os golos foram marcados na segunda parte e dois deles foram de Pizzi, que já leva oito no campeonato.
Uma das primeiras coisas que Luís Filipe Vieira disse quando apresentou Rui Vitória foi que este estaria alinhado com as políticas do clube. Por outras palavras, se o Benfica precisasse de vender, que vendesse, que o treinador não iria aos arames e trataria de arranjar soluções. Só que há problemas de resolução mais difícil do que outros - e este Benfica tem dois.

O primeiro: só há um substituto para Fejsa e chama-se Samaris - e quando este joga a equipa defende pior, porque o sérvio é óptimo a ocupar espaços e certeiro a roubar a bola ao adversário.
O segundo: o Benfica tem muitos avançados, mas nenhum tem a intensidade (velocidade prolongada no tempo) de Gonçalo Guedes - e quando este não joga, a equipa defende pior. É um bocadinho mais criativa, mas defende pior e sobretudo defende mais atrás, o que também faz com que recupere a bola em zonas mais recuadas.
E, como já se viu, porque o Benfica tem de vender alguém neste mercado de inverno (Jiménez e Lindelöf já fizeram o seu tour pela Europa), o tempo de Gonçalo Guedes na Luz terá chegado ao fim. O rapaz fez um duplo salto, do campo para o banco, do banco para a bancada, e deu lugar a Zivkovic, que se estreou de início em jogos a contar para a Liga.
O sérvio começou na direita e Cervi na esquerda; e Jonas e Mitroglou no meio. Não resultou.
Durante a primeira parte, diante do Tondela que é organizado a defender mas pouco expedito a atacar, o Benfica não teve vida fácil. Os caminhos estiveram tapados, os encarnados abusaram em lances individuais, rodriguinhos inúteis, tabelas artísticas - e, por cima disso, falharam golos.
Se Rui Vitória quisesse vencer ao último classificado do campeonato, precisava de mais verticalidade - e lá entrou Salvio para o lugar de Cervi.
E Salvio, apesar de alguns disparates que levam a perdas de bola, é um tipo prático que põe a bola no chão e corre com a mesma vontade, seja contra um muro ou contra um adversário.
Num instante, o lado direito do Benfica ganhou vida e isso contagiou o resto da equipa que passou a jogar pelos dois flancos: o Benfica chegou ao 1-0 por Pizzi e depois ao 2-0 também por Pizzi.
Aos 76 minutos, os encarnados resolveram o encontro e até ao final aproveitaram o seu embalo ofensivo e o desnorte do adversário, que viu um bom plano ser destruído pelos dois golos do médio. Chegou o 3-0, por Rafa, que se estreou a marcar pelo Benfica, e depois o 4-0, por Jonas, na marcação de uma grande penalidade.
São quatro golos que mantêm o FC Porto a quatro pontos - e que podem ter enterrado as esperanças do Sporting, que está agora a dez pontos da liderança.

Pedro Candeias, in coluna expresso

O PLANO B


TRIUNFO DO TRABALHO E DA DETERMINAÇÃO!


O SL Benfica recebeu esta tarde de domingo a formação do Tondela, num Estádio da Luz com assistência esgotada, com a Família Benfiquista a responder mais uma vez à convocatória.
Na antevisão, Rui Vitória explicara que “ninguém ganha só a pensar que ganha”, é preciso “muito trabalho e determinação”… e foi isso mesmo que esta tarde de domingo se viu na Luz!
Separados por 32 pontos, o Tricampeão, líder isolado da classificação, enfrentou um Tondela, lanterna vermelha da geral, agora orientado por Pepa.
Na partida que marcou o início da 2.ª volta da Liga NOS, uma estreia oficial no onze de Rui Vitória, com Zivkovic no lugar de Salvio. De resto, Ederson na baliza, Nélson Semedo e André Almeida nas alas, com Luisão e Lindelof na zona central da defesa. Meio-campo com Samaris, Pizzi, Zivkovic e F. Cervi; na frente a dupla atacante Jonas e Mitroglou.
Apito inicial de Bruno Esteves e primeiros minutos bastante animados, com o Benfica a pegar de imediato na batuta do desafio.
Samaris atirou por cima e Jonas, com um remate forte e colocado, a oferecer a Cláudio Ramos a primeira grande defesa da tarde.
Na resposta, aos 11’, primeira defesa de Ederson, após remate de Wagner à figura.

O Tondela surgiu na Luz com a lição bem estudada, como Pepa tinha referido na antevisão, com as linhas muito próximas, extremamente organizado, e o Benfica, assumindo o jogo, começou a ter muitas dificuldades para criar perigo.
Aos 22’, Pizzi testou novamente o guardião da equipa Beirã, aos 33’, Jonas consegue isolar-se, mas Cláudio Ramos diz não novamente… aos 38’, o Tondela ainda gritou golo, Wagner realmente atirou para o fundo das redes de Ederson, mas estava claramente em posição irregular.
Até ao intervalo, o nulo manteve-se… e a segunda parte começou com uma alteração na equipa encarnada, com Rui Vitória a colocar Salvio e a tirar F. Cervi.
Sentenciar… com classe!
Aos 46’, grande oportunidade para as águias. Pizzi cruza para a área onde estava Jonas isolado, mas Cláudio Ramos antecipa-se e tira o golo ao brasileiro.
O Benfica entrou com tudo nos segundos 45 minutos e adivinhava-se o golo. Aos 48’, lance muito polémico. Primeiro, Luisão sofre falta na pequena área, segundo, a bola vai ao braço de Kaká. No meio da confusão, Zivkovic remata forte, mas mais uma vez Cláudio Ramos a fazer uma enorme defesa.
O Benfica carregava, carregava… o Tondela ia aguentando, mas aos 58’, finalmente o golo da justiça, para alegria dos 56 053 nas bancadas da Catedral.
Canto na esquerda, Luisão amortece ao 2.º poste, Mitroglou tenta o desvio mas não chega, a bola sobra para Samaris que oferece a Pizzi. O internacional luso, perto da linha dos onze metros, dispara colocado para o 1-0.
Aos 63’ foi Nélson Semedo quem tentou a sorte, mas o segundo golo chegaria a 15 minutos do apito final. Grande jogada de Nélson Semedo a fazer o seu flanco, a ir à linha cruzar para a entrada de Pizzi que, com um remate colocado e firme, bisa na partida. Estava feito o 2-0.
Aos 84’, golaço na Catedral! Rafa, que entrara para o lugar de Mitroglou, tira um chapéu espetacular da cartola e bate Cláudio Ramos, fazendo o 3-0. Mérito também para o passe espetacular de Jonas.
Já em tempo de compensação, grande penalidade, Jonas, na conversão, sentencia a partida num justo 4-0 final.
O SL Benfica alinhou de início com Ederson; Nélson Semedo, Lindelof, Luisão e André Almeida; Samaris, Pizzi (Celis, 86’), Zivkovic e F. Cervi; Jonas e Mitroglou (Rafa, 70’).
Com este resultado, o Tricampeão soma 45 pontos (14V3E1D), mantendo a liderança isolada da classificação.
Segue-se a disputa da Final Four da 10.ª edição da Taça da Liga (CTT). Os jogos decorrem no Estádio do Algarve entre os dias 25 e 29 de janeiro.
O SL Benfica – detentor de 7 Troféus – defronta o Moreirense na meia-final. Este desafio está agendado para as 20h45 da próxima quinta-feira.
Em caso de vitória, as águias defrontam na Final o vencedor da outra meia-final, V. Setúbal ou SC Braga, num jogo marcado para as 20h45 de domingo.

A DURA REALIDADE DE JESUS


Jorge Jesus está a viver dias difíceis em Alvalade e já não tem muitas hipóteses de resolver o problema até ao final desta temporada. Precisa, no mínimo,  de chegar ao segundo lugar, mas para isso o Sporting terá de fazer uma coisa que já não se vê há bastante tempo: jogar futebol de qualidade. Este, sim, é o verdadeiro mistério que está a intrigar os adeptos leoninos. Onde está a nota artística? O que aconteceu ao Sporting dominador? Para onde fugiu o estilo sedutor que se viu na época passada e que chegou, há poucos meses a silenciar o Santiago Bernabéu? Alguém questiona a superioridade do Chaves nos dois jogos recentes?
Há muito tempo que não se via uma equipa de Jesus praticar um futebol tão vulgar, sem ideias, dependente de um ou dois jogadores. Nos 30 jogos oficiais que o Sporting já fez esta época, as exibições que valem a pena recordar contam-se pelos dedos de uma mão: vitória sobre o FC Porto, a tal derrota em Madrid e ainda um jogo muito aceitável no Estádio da Luz, onde por sinal também perdeu. tirando estes momentos, o que mais se salva (em termoss de rendimento) na época dos leões? Quase nada. A responsabilidade, objetivamente, pertence a Jesus. E a isso Jesus não fugiu na conferência de imprensa de antevisão ao jogo com o Marítimo. O técnico tem a noção de que está longe do patamar exibicional que o alto investimento desta época justificava. Não vai ser fácil dar a volta. O plantel está mais para encolher do que para alargar e é com estes que a situação terá de ser resolvida. Bruno de Carvalho mostrou ontem um cartão amarelo a Jesus: "Época muito mal conseguida no futebol". O outro candidato às eleições, Madeira Rodrigues, foi mais longe e mostrou o vermelho:"Não será o meu treinador". Até onde resistirá JJ?

Nuno Farinha, in record

INICIADOS A VENCEM DÉRBI E SÃO LÍDERES


O Caixa Futebol Campus recebeu, este domingo, o dérbi da 7.ª jornada do Campeonato Nacional de Iniciados. O Sport Lisboa e Benfica superiorizou-se aos verde-e-brancos, venceu por 3-0 e é agora líder da zona sul.
No Seixal, o Sporting começou por ter mais bola e por criar dificuldades ao meio-campo Benfiquista no momento da construção ofensiva. Porém, nunca levou verdadeiro perigo à baliza de Samuel Soares, que se mostrou sempre seguro.
Mais eficazes, as águias inauguraram o marcador aos 20 minutos por intermédio de Famana Quizera, num livre irrepreensivelmente marcado. A vencer, o Benfica cresceu no jogo e aos 27’, Gerson Sousa teve tudo para fazer o 2-0, mas já sem o guarda-redes na baliza atirou contra um defesa leonino.
Ao intervalo estava 1-0 para os da casa e no recomeço, aos 42’, Famana Quizera, isolado, só não bisou por mero azar. Os processos simples e rápidos do Benfica na saída para o ataque deixavam o setor mais recuado do Sporting desnorteado, e aproveitou Famana Quizera para bisar aos 49 minutos.
Antes de o jogo fechar, aos 70’, Famana Quizera assistiu Fábio Silva que fez o terceiro do dérbi.
Os Iniciados A passam para a liderança, agora com 19 pontos.

BENFICA - US COUTRAS, 10-2 : LIGA EUROPEIA FEMININA

                                      
A equipa feminina de Hóquei em Patins recebeu e venceu, este sábado, a formação francesa do US Coutras, numa partida referente à 1.ª mão dos quartos de final da Liga Europeia.
No Pavilhão Fidelidade, muita qualidade e ambição em quadra, com as comandadas de Paulo Almeida a dominarem por completo as operações.
Goleada taxativa, por 10-2, com golos de Rita Lopes (5), Marlene Sousa (3), Rute Lopes e Macarena Ramos.
Recorde-se que em 2014/15 as encarnadas conquistaram o título europeu, quebrando, no seu ano de estreia, a hegemonia dos clubes espanhóis, e esta temporada este é um objetivo assumido.
A 2.ª mão disputa-se no dia 18 de fevereiro, em França.

CAPAS DO DIA